Investimento no Tesouro Direto: mitos e como investir

Investimento no Tesouro Direto: mitos e como investir

Investimento no Tesouro Direto: mitos e como investir

Atualmente, para quem procura por mais estabilidade e segurança, o investimento no Tesouro Direto tem sido cada vez mais cogitado pelos investidores.

Apesar de essa ser uma forma de investimento ainda em fase de popularização, nota-se um considerável crescimento no número de seus investidores.

Pode-se dizer que isso se deve à sua rentabilidade, ao investimento em valores acessíveis e à sua segurança — uma vez que os títulos do Tesouro Direto financiam a dívida pública federal. Destaca-se o fato de que os títulos do Tesouro Direto são emitidos pelo Governo Federal, oferecendo baixo risco dentro do ambiente doméstico.

No texto de hoje, vamos esclarecer alguns mitos que envolvem o Tesouro Direto. Vamos também dar um passo a passo sobre como investir nesse título, para se obter sucesso financeiro.

Principais mitos e dúvidas sobre o Tesouro Direto

Tire agora algumas dúvidas bastante comuns sobre investimento no Tesouro Direto. Com isso, será mais fácil para você definir se esse é ou não o melhor caminho para os seus investimentos.

Para começar, vamos esclarecer que não existe investimento no Tesouro Direto, mas sim via Tesouro Direto. Afinal, o Tesouro Direto é um programa do Tesouro Nacional que viabiliza a possibilidade de pessoas físicas comprarem títulos da dívida pública federal, de forma 100% online.

Tesouro Direto e Poupança: qual rende mais?

Apesar de a Poupança ser mais conhecida do que o Tesouro Direto, os títulos do Tesouro Direto se mostraram, historicamente, mais rentáveis que a Poupança.

Principalmente, em tempos taxas de juros muito altas — como quando a Selic esteve a 14% a.a. — a diferença entre alguns títulos do Tesouro Direto e a Poupança ficou mais visível, uma vez que a poupança, naquela época, rendia 6,5% a.a. + TR enquanto o Tesouro Selic rendia 14% a.a.

Ou seja, a diferença entre os dois era muito significativa. Mas lembre-se, em tempos de taxas de juros baixas, também existem diferenças entre os títulos públicos e a Poupança. Vamos entender melhor a seguir.

Com a taxa Selic em 3% a.a, a correção da Poupança fica em torno de 2,1% ao ano, já que a sua correção é de 70% da Selic, acrescida da taxa Referencial. Hoje, a Poupança oferece um rendimento mensal de apenas 0,173% para depósitos feitos a partir de 04 de maio de 2012, conforme as novas regras da Poupança.

Em consequência disso, como podemos perceber, as pessoas que mantêm seus investimentos na Poupança acabam, muitas vezes, perdendo rentabilidade no longo prazo.

Já, quem busca investir em títulos atrelados à inflação, como o Tesouro IPCA+ do Tesouro Direto, por exemplo, consegue obter a rentabilidade de um determinado percentual ao ano, acrescido da variação do IPCA. Sendo assim, fica bastante claro que essa opção é, muitas vezes, melhor, em termos de rendimento. Mas, lembre-se: é importante fazer uma análise caso a caso.

O Tesouro Direto é realmente seguro?

Apesar de não ser coberto pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), o Tesouro Direto é um título público emitido pelo Governo Federal. Ou seja, a sua segurança — e seu risco — dependem desse órgão emissor.

A explicação para entender isso como um fator de segurança é que as chances de o governo quebrar são consideradas menores que as chances de empresas e instituições financeiras. Sendo assim, na maior parte das vezes, considera-se seguro o investimento em títulos do Tesouro Direto.

É possível investir valores menores no Tesouro Direto?

Sim, é possível. Para se investir no Tesouro Direto, não é necessário desembolsar um valor mais alto. Essa é uma das vantagens desse tipo de título, já que a exigência para se iniciar é menor que R$100,00.

Lembre-se de que é importante ficar informado, também, sobre os custos de custódia, que podem variar conforme a instituição pela qual você fará o seu investimento. Vale considerar uma pesquisa atenta sobre as corretoras de valores disponíveis no mercado — para que seja possível fazer uma seleção daquela que oferece as melhores condições.

Passo a passo para fazer investimento no Tesouro Direto

Agora que você já compreendeu melhor algumas especificidades de se fazer um investimento em títulos do Tesouro Direto, chegou o momento de aprender, na prática, como efetivá-lo. Acompanhe os passos, a seguir.

1. Definição do título e da corretora de valores

O primeiro passo para se iniciar o seu investimento no Tesouro Direto é fazer a escolha do título no qual você deseja investir, e definir também qual será a corretora de valores que fará esse trâmite para você.

Mas, antes, lembre-se de entender melhor qual é o seu tipo de investidor. Essa informação será primordial para que você saiba, ao certo, como montar uma carteira de investimentos que faça sentido para você.

2. Abertura de conta e cadastro no site

Após realizar a escolha do tipo de título e da instituição, será necessário também fazer a abertura de sua conta no site da corretora de valores selecionada. Para isso, é importante que você tenha sempre em mãos os seus documentos e dados pessoais.

3. Transferência do valor a ser investido

A partir do momento que você tiver a sua conta e o seu cadastro já concluídos, é hora de fazer a transferência do valor que você deseja investir, da sua conta pessoal para a sua conta na corretora.

4. Acesso à plataforma de investimentos

Ao fazer a transferência do valor a ser investido, você encontrará no site da instituição escolhida uma plataforma de investimentos. Trata-se de uma espécie de painel, no qual são mostradas todas as opções de investimentos ideais para o seu perfil de investidor.

Seleção dos melhores títulos para você

Agora que você já possui os principais conhecimentos financeiros para iniciar o seu investimento no Tesouro Direto, é importante lembrar de fazer todo esse processo de forma bastante cuidadosa e com muita atenção.

Estar bem instruído e atento às regras do mercado financeiro pode aumentar consideravelmente as suas chances de sucesso na hora de investir. Mas, é comum que surjam outras dúvidas e inseguranças durante essa fase.

Por isso, se ao iniciar os seus investimentos, ocorrer de você se sentir inseguro e receoso, não hesite em buscar instrução sobre o assunto, para que seja capacitado a definir as melhores opções de investimento.

Atualmente, podemos encontrar cursos de investimentos financeiros que podem ajudá-lo a entender melhor as suas opções, em termos de investimentos. As aulas são desenvolvido com base em anos de experiência dos mentores, o que trará ainda mais confiança a você na hora de investir.

Afinal, zelar pela sua proteção patrimonial deve ser sempre o seu maior objetivo!

Você gostou do nosso artigo sobre investimento no Tesouro Direto? Então, aproveite para entender, de forma ainda mais aprofundada sobre o assunto, fazendo sua matrícula no Curso de Investimentos da BM Capital.